Educação Montessori: Origem e Teoria

[Montessori] acreditava que nos anos de formação das crianças estavam as respostas para a capacidade da humanidade de se renovar em cada geração seguinte. (Paula Polk Lillard, Montessori Hoje, p. 3).

Lillard (1996) aponta para um movimento de reforma educacional na década de 1960 que adotou um conceito de sala de aula aberta seguindo as idéias do livro de John Holt How Children Fail, originalmente publicado em 1964. Holt descreve como as escolas funcionam com base no pressuposto de que “a maioria das crianças não quer aprender, não são bons nisso e não tentam, a menos que sejam obrigados. ” Ele afirma ainda que as escolas tentam fazer as crianças aprenderem dando “longas listas de pequenas tarefas sem sentido para fazer e fatos para lembrar, e punindo-as se falharem”. Holt defende a opinião de muitos pesquisadores educacionais modernos de que essa abordagem nunca funciona e as escolas continuam a falhar porque fazem listas cada vez mais longas com punições mais rígidas (Holt, 1983). Lillard indica que este movimento de reforma e outros semelhantes não funcionou porque eles falharam em reconhecer a necessidade de uma visão holística da educação e “componentes acadêmicos bem definidos, capazes de ajudar as crianças a atingir altos padrões de alfabetização, matemática e habilidades para pense e comunique-se com clareza. ” (Lillard, 1996).

No mundo da tecnologia de hoje, rápido e mutante, entendemos que nossos filhos viverão em um futuro que dificilmente podemos imaginar. “Os pais procuram as escolas para ajudar a preparar seus filhos para o mundo de mudanças em que vivemos. Infelizmente, eles sempre encontram sistemas educacionais voltados para o passado, baseados em recompensas e punições, curvas de classificação e classificação de classe, memorização e testes rotineiros. Principalmente sentado e ouvindo, cada aluno fica isolado em uma mesa com poucas oportunidades de desenvolver as habilidades sociais e comunicativas necessárias para resolver problemas no mundo real. ” (Lillard, 1996) Lillard também aborda o declínio percebido dos padrões de comportamento como outro problema enfrentado pela educação convencional.

A perspectiva de Lillard reconhece a diferença que a educação Montessori faz nas crianças, não apenas na filosofia e métodos educacionais. Como professora, administradora, mãe e avó, Lillard tem décadas de experiência direta em observar exatamente como as crianças Montessori aprendem e amadurecem até a idade adulta. Estamos ansiosos para revisar o trabalho Montessori Today de Lillard e compartilhar pensamentos, perguntas e ideias com você ao longo do caminho.

A Visão de educação no método Montessori

A abordagem Montessori vê a educação e a criança como partes de um todo. Eles não estão separados. Em vez de enfatizar resultados e referências individuais em níveis de ensino separados, a educação Montessori considera a criança desde o nascimento até a idade adulta, avaliando as metas gerais de desenvolvimento para os primeiros 22 anos de vida. Montessori não mede o progresso da criança por notas padronizadas ou pontuações em testes. É uma educação para ajudar a criança desde a infância a se tornar um adulto capaz, competente e em pleno funcionamento, que é um membro feliz e contribuidor da sociedade. É um processo pessoal que ocorre não por idade ou grau, mas ao longo dos níveis e estágios de desenvolvimento exclusivos do indivíduo.

Ao longo de sua vida, Maria Montessori examinou o comportamento da infância em vários países e culturas e em tempos de guerra e paz. Suas descobertas no desenvolvimento e comportamento humano revelaram princípios universais que se aplicam a todas as culturas e épocas. No primeiro capítulo de Montessori hoje, Paula Polk Lillard discute os pontos-chave que cercam a origem e a teoria da educação Montessori. A seguir está uma breve revisão da discussão de Lillard, focando particularmente no desenvolvimento e comportamento humano no que se refere à mudança de Montessori da ciência para a educação.

O desenvolvimento humano não é um avanço linear constante, mas uma progressão que ocorre durante quatro planos formativos. Montessori notou profundas diferenças no que ela descreveu como os quatro planos de desenvolvimento. Ela reconheceu que dois desses planos ocorrem durante a infância (idades de 0–6 e idades de 6–12) e dois planos ocorrem durante a adolescência (idades de 12–18) e na idade adulta (idades de 18–24). Cada plano tem características de desenvolvimento específicas com períodos sensíveis específicos para aprender e alcançar objetivos de desenvolvimento específicos. Examinando sistematicamente como eles aprendiam, como interagiam com seu ambiente e quais eram suas tendências naturais, Montessori observou crianças se inventando e recriando em cada plano de desenvolvimento.

Em vez da visão convencional da educação como sendo uma progressão linear, Montessori via cada plano como uma progressão triangular uniforme e consistente. Cada plano começa com renascimento seguido por uma rápida progressão de desenvolvimento que, após atingir seu pico, declina em um ritmo mais lento. Por meio de suas observações, Montessori determinou que a educação exigia uma revolução. Seu trabalho se voltou para a construção de uma metodologia educacional que acompanhe a criança em suas vazantes e fluxos naturais.

O currículo Montessori é projetado para responder aos aspectos de desenvolvimento únicos de cada plano, com o objetivo final da educação sendo o desenvolvimento do ser humano completo que está conectado e contribuindo com a sociedade. Com esse objetivo em mente, Montessori começou a ensinar as crianças de acordo com o que elas intrinsecamente precisavam, e não com o que o estado determinava ser apropriado. “Em vez de dividir as escolas em creche, primária, secundária e universidade, devemos dividir a educação em planos e cada um deles deve corresponder à fase pela qual passa o indivíduo em desenvolvimento.” (Montessori, 1971).

O desenvolvimento humano na interação com o ambiente

Em sua primeira escola, a Casa dei Bambini, Montessori testemunhou crianças absorvendo seu mundo por meio da exploração sensorial. Ainda observamos isso hoje, começando com bebês que tocam e provam objetos para aprender mais sobre eles. À medida que crescem e a cada descoberta, eles começam a classificar os objetos com base em critérios como o que é e o que não é comestível, quais sabores e texturas eles preferem, como as coisas são ao toque, como as coisas soam, se os objetos em seu ambiente são seguros ou prejudicial, etc. Ninguém pode fazer este trabalho importante para a criança; ela deve explorar e obter esse conhecimento de forma independente. Desde o início, as crianças estão criando seu próprio conhecimento.

Humanos de todas as idades atribuem significado às informações com base nas impressões feitas por suas experiências. O conhecimento sensorial é categorizado e organizado no cérebro com base na repetição de padrões. As crianças escolherão fazer algo repetidamente para ver se obtêm os mesmos resultados, como um cientista testando uma hipótese. Por meio de ações repetitivas, eles estão atribuindo significado à sua exploração.

A educação Montessori contém “três elementos essenciais: um ambiente preparado, um adulto preparado e liberdade com responsabilidade” (Lillard, p. 21). Embora o currículo mude para acomodar os aspectos únicos de cada plano de desenvolvimento, esses elementos principais permanecem consistentes porque são essenciais para o sucesso do método. Quando a criança está livre para explorar o ambiente preparado sem a interferência do adulto, toda a sua energia se concentra na tarefa em mãos de maneira produtiva, séria e pacífica. Há muito pouca necessidade de modificação ou intervenção comportamental. Ele aplica a imaginação e manipulação repetida, lutando pela ordem, precisão e perfeição. 

A educação que olha as tendências humanas

Os humanos receberam os dons da inteligência, do amor, da razão e da vontade. Temos o poder de modificar e se adaptar a qualquer ambiente com base em nossas necessidades. O ser humano evoluiu de forma única e é dotado de inteligência, instinto e movimento. Havia três necessidades básicas para nos manter vivos: comida, abrigo e roupas. Nossos primeiros ancestrais encontraram um meio de sustentar essas necessidades básicas no primeiro dia de sua existência. A capacidade de satisfazer a necessidade de alimento ocorreu porque ele / ela procurou, encontrou e experimentou o que era necessário para se manter vivo. 

Maria Montessori constatou que existem tendências humanas em cada indivíduo que o estimulam dentro da sociedade. As tendências humanas são imutáveis ​​e individuais. Eles ajudam os humanos a sobreviver e se adaptar em um determinado momento, ambiente e processo educacional.

As tendências humanas são:

  • Ordem: A tendência para a ordem ajuda na compreensão do ambiente. Para uma criança, significa que ela precisa de eventos previsíveis em sua vida; por exemplo, um ambiente ordenado onde tudo tem um certo lugar. Como educadores, oferecemos um ambiente organizado com as coisas em um local bem definido.
  • Orientação: Esta tendência é a capacidade de se orientar em novas situações. Para uma criança, significa que ela precisa saber onde e como se encaixa em um determinado momento ou ambiente e como se adaptar. Como educadores, devemos dar à criança a liberdade e as informações necessárias à sua orientação sem muita orientação.
  • Exploração: Esta tendência é a curiosidade que leva a explorar e o desejo de compreender. Torna uma vida melhor material e espiritualmente. Somos todos exploradores em potencial com um desejo enorme de aprender, pesquisar, ler e viajar. Como educadores, podemos ver facilmente que as crianças são os melhores exploradores e devem ter a liberdade de explorar um ambiente o mais rico possível.
  • Comunicação: Esta tendência é a capacidade dos seres vivos de se compreenderem e também de serem compreendidos. Isso assume as três formas de falar, escrever e ler. Como educadores, a liberdade de expressão, a capacidade de ouvir e a narração de histórias ajudam a capacitar o falar. A pesquisa e a escrita criativa ajudam a desenvolver a escrita. A leitura da criança é estimulada por meio da leitura para a criança do adulto, bem como de exercícios preparatórios em sala de aula.
  • Atividade: é a capacidade de se mover que envolve a mente e o corpo. A criança está inquieta e precisa de atividade constante que parece sem propósito para o adulto. Como educadores, devemos dar à criança liberdade de movimento.
  • Manipulação: É a tendência de tocar e manipular os arredores para dar controle sobre uma atividade. A criança tem necessidade de tocar, sentir e experimentar o mundo físico. Como educadores, devemos proporcionar à criança essa experiência por meio de materiais Montessori em linguagem, matemática e ciências.
  • Trabalho: a tendência para o trabalho está relacionada às tendências de atividade e manipulação. É a capacidade de colocar em realidade o que a imaginação sugere. Permite independência e dignidade, bem como uma sensação de descanso. Como educadores, percebemos a necessidade da criança para sua autoconstrução e, portanto, nunca devemos julgar ou interromper o trabalho de uma criança, sabendo que seus objetivos são diferentes dos nossos. Devemos também dar à criança a liberdade de trabalhar em seu próprio ritmo, em um ambiente estimulante e apropriado.
  • Repetição: Esta tendência é a capacidade de repetir continuamente um exercício para alcançar a perfeição e experimentar a alegria de um maior controle e compreensão do próprio mundo. Quando uma criança não está satisfeita com seu desempenho em uma atividade ou não obtém nenhuma alegria com isso, ela repetirá o mesmo exercício várias vezes. Como educadores, devemos fornecer materiais que sejam facilmente acessíveis e que possam ser usados ​​continuamente.
  • Exatidão: É o desejo de ser preciso e constante para que as coisas sejam objetivas. É uma tendência necessária para sobreviver (para manter a estabilidade e prevenir acidentes). Como educadores, damos à criança a liberdade de repetir uma atividade até que ela chegue a um ponto de exatidão. Ele mostra exatamente como usar os materiais corretamente.
  • Abstração: é a capacidade de raciocinar além dos limites do concreto, bem como de generalizar e interpretar. Essa tendência não se desenvolverá em uma criança, a menos que ela tenha experiência concreta suficiente. Como educadores, devemos permitir experiências concretas por meio dos materiais para que estes proporcionem uma compreensão sólida dos conceitos pretendidos.
  • Auto-aperfeiçoamento: É o desenvolvimento da pessoa até um ponto que a satisfaça. Como educadores, o objetivo do professor Montessori é ensinar as crianças para que possam se controlar e isso é feito através do próprio ambiente.

Deixe uma resposta